Home / Eventos / Conheça os artistas do 1° FESMAN!
536967_560203977352523_1138694466_n.jpg

Conheça os artistas do 1° FESMAN!

O Museu Treze de Maio, orgulhosamente, apresenta os artistas que estarão presentes no 1° Festival Municipal de Artes Negras – FESMAN, que acontece nos dias 10 e 11 de Maio, no Museu Treze de Maio.

Acompanhe as pretinhosidades deste evento e participe!

Manoel Luthiery

Ele é de Remanso na Bahia.

Licenciado em Educação Física pela UNIP Campinas/SP.

Graduando em Licenciatura em Dança na UFSM.

Bailarino formou-se na ABAMBA – Associação de Benfeitores de Meninos Bailarinos-Atores.

Capoeirista há 8 anos no Grupo de Capoeira Garras da Fé.

E mais, é de OXUMARÉ, Orixá do Movimento.

Elen Acsa Ortiz

Flautista da Orquestra Sinfônica de Santa Maria.

É a Bela do Ébano + 12, do Museu Treze de Maio.

No FESMAN, ela cantará duas peças do Folclore Africano, Jambo e Baba Yetu na língua Suhali.

Elen Acsa Ortiz acompanhada do Grupo Vocal de Cristopher Tin.

Walter Pingo Mello Ferreira

Secretário de Juventude do CNAB – Congresso Nacional Afro Brasileiro do Rio Grande do Sul.

Percussionista reconhecido em todo Estado.

Coordenador do Centro Cultural Mestre Borel no Bairro Restinga, POA.

Artesão confecciona Agês, arte que aprendeu com seu Pai, o Saudoso Mestre Borel.

Estará nos dois dias do Festival apresentando o toque do Tambor do Batuque do Sul, e os seus Agês.

 

Maura Oliveira

Ela que é Artista, Poeta e Amante das Cores.

Há 7 anos é integrante do Grupo de Teatro da Escola Municipal de Artes Eduardo Trevisan – EMAET.

Cursa Psicologia na UNIFRA.

E é Graduanda em Licenciatura em Teatro na UFSM.

E como todos os Artistas, vêm para homenagear os 110 anos do Museu Treze de Maio.

 

Geanine Vargas Escobar

Mestranda do curso de Memória Social e Patrimônio Cultural pela Universidade Federal de Pelotas (2012). Formada em Bacharelado em Conservação e Restauro de Bens Culturais Móveis pela mesma instituição, UFPel (2008-2011). Atua como colaboradora no Museu Comunitário Treze de Maio de Santa Maria – RS (2002-2013). Coordena o Projeto Assuma Sua Negritude (2005 – 2013), que tem como objetivo apontar um caminho para implementação da Lei 10.639 através de palestras sobre a valorização do patrimônio cultural afro-brasileiro e intervenções teatrais, fazendo desta maneira uma homenagem ao Poeta da Consciência Negra: Oliveira Ferreira da Silveira (1941-2009). É pesquisadora associada ao Grupo pesquisas interdisciplinares em memória e patrimônio da UFPel.

 

Karen Tolentino de Pires – Nega Karen

Formada em Educação Física pela FAMES – Faculdade Metodista de Santa Maria.

Faz Pós Graduação em Dança na Faculdade Gama Filho em POA. Mestranda no Curso de Ciências Sociais na UFSM.

Coordenadora da Cia do Samba do Museu Treze de Maio.

Rainha de Bateria da Escola de Samba Barão do Itararé.

Serviu de Modelo e Inspiração do Cartaz do 1º FESMAN.

Estará com a Cia do Samba no Pré – Fesman, no Boteco do Rosário, no dia 9 de Maio.

Junto com o Anderson Machado e Mestre Militar, será responsável com a Cia do Samba, pela Roda de Samba, no dia 11 de maio.

Igor Magrão – El Magro

Rapper, foi um dos fundadores do CO RAP – Coletivo de Resistência Artístico Periférica.

Estará como todos os Artistas que passarão pelo Festival fazendo sua intervenção sem cachê.

Estará no Pré – Fesman, no Boteco do Rosário, e dia 11 estará lançando seu EP no Museu Treze de Maio.

Comunicador na Rádio Perifa no Alto da Boa Vista.

E nas palavras dele sobre o Treze e o FESMAN:

110 anos de lutas… Manter viva uma cultura que representa a história de mulheres e homens negros, não é pra qualquer um, é pra quem é de verdade! Uma estrutura antiga que se renova na batalha diária de exigir respeito por nossa gente preta, mulata, periférica, mas que tem muitas histórias lindas de dor e alegria, viva a liberdade, do pensamento, da religião, do cabelo, e do sorriso da gente….10 de maio, 11 de maio é tudo nosso!

Igor Magrão.

 

Luana Prates

No 1º FESMAN teremos como Mestra de Cerimônia Luana Prates.

Ela que foi a 1ª Bela do Ébano+11, em 2011 no Museu Treze de Maio.

Bailarina da Cia do Samba e integrante do CORAP – Coletivo de Resistência Artístico Periférico, coletivo que está no Apoio do Festival.

Estuda no Ensino Médio em Santa Maria.

Julio Cezar Santos

Natural de Rosário do Sul reside atualmente em Canoas, onde é Gestor dos Pontos de Cultura na Prefeitura Municipal de Canoas.

Formado em Gestão Pública pela ULBRA de Canoas.

Tem formação no Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro.

Babalorixá no Ilê Asé Óbokum.

Aprendiz de Griot.

E contribui no Festival com o Boneco Nego Bastião.

É Militante da Religião Afro-Umbandista.

 

 

Mestre Militar

Ele foi Aluno do Mestre Biriba.

Fundou a Associação de Rua Capoeira Berimbau há 11 anos atrás em 25 de dezembro de 2002.
E além de Santa Maria, a Associação está presente nas cidades de São Pedro do Sul, Candelária e Esteio. A Capoeira de Rua Berimbau está presente também nos Estados de Santa Catarina e Paraná.

O Grupo desenvolve também o Maculelê, o Jongo, o Samba, artesanato e a musicalidade.
Participam no Festival, responsáveis pela Roda de Capoeira no sábado, dia 11 de Maio.

Negras na Batalha

Presença da Mulher Negra no RAP e no FESMAN!

Elas vêm de São Leopoldo/RS.

Inicialmente em 2005 eram o Trio TNB, Três Negras na Batalha, 3 vozes femininas negras.

Atualmente as Negras na Batalha são: Paula Cristiane do Nascimento – Nega Byll e Luísa Helena do Nascimento – Nega Bula.

As Negras têm participado de debates e seminários contribuindo na discussão e luta pela inserção da mulher negra na sociedade gaúcha, participando também ativamente nas pautas da diversidade cultural e sexual.

 

 

Ricardo de Ossanha e Lúcia Severo

A Comunidade de Terreiro Ylê Axé Ossanha Agué, novamente se faz presente nos eventos do Treze.

Acarajé, Mugunzá, Cocada, Quindim e a nossa Feijoada serão confeccionadas durante os dois dias de Festividades.

A frente dos Amagés, ele que é líder espiritual na Comunidade de Terreiro Ilê Axé Ossanha Agué.

Já foi Bailarino na Cia de Dança Afro Euwá Dandaras.

É Acadêmico de Artes Visuais na UFSM.

Teremos juntamente com Pai Ricardo, a contribuição de Lúcia Severo, a “Baihana”. 

Baihana já foi responsável pela Culinária nas duas Edições do Beleza do Ébano.

É Artesã e estará expondo seus Trabalhos no FESMAN.

Foi Presidente da Escola de Samba Infantil Vila Brasil do Amanhã.

No dia 11 de maio, teremos a Feijoada no Festival!

 

 

Alexon Messias da Rocha

De Tupanciretã, veio para Santa Maria no ano de 2010 para cursar História, na Universidade Federal de Santa Maria. No mesmo ano começou a fazer parte do Museu Treze de Maio como estagiário e desde então acompanha o nosso Treze como voluntário!
É integrante da Associação dos Estudantes Negros e Negras da UFSM, AENUFSM.
Atualmente trabalha na 8° Coordenadoria Regional de Educação – 8° CRE e também no Práxis Coletivo de Educação Popular.
Além de tudo, possui um grande talento artístico: é desenhista e ilustrador!
Foi o criador das artes ilustradas do 1° FESMAN, assim como as artes da Aula Pública: Vamos falar sobre Cotas?, do Beleza do Ébano (2012), da Semana da Consciência Negra (2012), e um dos autores principais do mural dentro do Treze que inspirou a campanha de aniversário de 110 anos do espaço!
Vai estar no FESMAN com exposição dos seus trabalhos, no Espaço Alexon Messias da Rocha.
Alexon é Pretinhosidade, é arte, é tudo de bom!

 

Francisco Paulo Jorge Pinto – Mestre Chico

É um dos nossos homenageados e contribuirá com o seu talento e conhecimento no 1° FESMAN: Mestre Chico e “Tambores de Angola”. Francisco Paulo Jorge Pinto, natural da cidade de Pelotas/RS, nascido em 13 de Dezembro de 1953. Teve sua iniciação cultural aos sei anos (06) de idade dentro de um centro de umbanda Arranca Toco, onde chegou ao cargo Cambondo. Aos vinte cinco (25) anos na religião de matriz africana, onde ainda permanece. Na arte Capoeira teve como Mestres em seu inicio Mestre Jorge Gradim e Antônio Mota, ambos da cidade de Pelotas/RS, que o iniciaram aos oito (08) anos. Aos doze (12) anos começou a praticar a percussão e canto de Samba de Roda e Dança. Aos vinte um (21) anos desfilou pela primeira vez como Mestre Sala na Escola de Samba Academia do Samba da cidade de Pelotas. Quando completou vinte cinco (25) anos iniciou aos conhecimentos da língua Yorubá, hoje é um grande pesquisador do tema e seus conhecimentos têm servido de referencia em vários centros Acadêmicos de Educação pelo Brasil. 

Ainda muito jovem começou a contar historias Africanas e Afro-brasileiras, hoje vai a muitas escolas contar suas historias. Aos 33 anos foi para Bahia conhecer os mestres João Pequeno, Mestre Cobrinha Mansa, Boca, Metres Papo Amarelo, Mestre Rica e Mestre Curió. Nos terreiros foi a Casa de Preta e conviveu muito tempo com Mestre Zé das ervas na baixa do Sapateiro. No ano de 2001, fez sua primeira visita a uma comunidade Quilombola rural e de lá pra cá nunca mais parou de pesquisar estas comunidades. 
No movimento em defesa dos direitos dos Negros tem grande atuação desde menino. Fundador do movimento Negro de Pelotas, com Hamilton Lara e demais companheiros, Mestres Chico fundou também o Conselho Municipal do Negro de Pelotas. Hoje é Mestre da Rede Mocambos e padrinho cultural do Ponto de Cultura GHC (Grupo Hospitalar Conceição).


Bloco Tom Maio

A Associação Recreativa Beneficente Cultural Tom Maior – Sempre Unidos foi fundada no dia primeiro de julho de 2011. Seu símbolo é composto por dois cisnes: um branco e um negro. A união de seus bicos forma um coração e no centro deste coração encontra-se um surdo. Os fundadores desta associação são ligados ao universo carnavalesco de Santa Maria. Amigos de longa data uniram-se com o objetivo de exaltar e promover manifestações populares nas mais diversas áreas: do carnaval à inclusão social e cultural e à defesa dos direitos de grupos sociais discriminados.

Presidida pela senhora Suzete Xavier, “Suzi Xavier”, a Associação Tom Maior é composta atualmente por três departamentos: Departamento de Carnaval, Departamento de Ação Social e Departamento de Defesa e Promoção dos Direitos das Minorias e Grupos Sociais Discriminados.

 

Escola de Samba Barão de Itararé

Fundada em 15 de fevereiro de 1985, a Sociedade Recreativa Beneficente Barão de Itararé, tem como suas cores o amarelo, azul, verde e branco; tem como símbolo o Barão de Itararé, Aparício Torely, jornalista e cronista, marcado pela irreverência; representando a zona leste ferroviária, a Barão de Itararé tem uma trajetória ascendente, sendo campeã do Carnaval de Santa Maria, em 2008, tendo como enredo as Etnias que Construíram Santa Maria, em uma homenagem aos 150 anos de fundação do município. Conquistou o bi-campeonato em 2012 com o enredo homenageando o Bloco-Afro Ilê Ayê de Salvador, sendo agraciada pela totalidade das notas dez, fato inédito na história de nosso carnaval; tendo como característica a formação dos quesitos na própria comunidade, a Barão de Itararé tem como pontos fortes sua bateria nota dez, estandarte de ouro nos últimos três carnavais de nossa cidade, uma harmonia de reconhecida qualidade, sendo atual bi-campeã do festival de samba-enredo. O casal de Mestre Sala e Porta Bandeira, Adriano e Jamaica, detentores de várias notas dez na avenida e sua comissão de frente, composta pela CIA de Dança Afro Euwá-Dandaras, detentora de cinco notas dez e quatro estandarte de ouro em nosso carnaval. Presidida por Waldomiro Messias, o Mestre Zinho, traz nesta Homenagem aos 110 anos do Museu Treze de Maio, sua bateria, além de rainhas e Mestre Sala e Porta Bandeira.

 

Cia de Dança Afro Euwá-Dandaras

Criada em 2009, a Cia de Dança-Afro Euwá-Dandaras, surge do grupo de dança existente desde 1997, como oficina da Associação dos Amigos do Museu Comunitário Treze de Maio de Santa Maria e tem como coordenadora-geral e coreógrafa a Prof. do Curso de Educação Física da Universidade Federal do Pampa – Campus de Uruguaiana, Drª Marta Messias, conhecida no meio artístico como Jamaica.
O trabalho deste grupo tem a característica de resgate e valorização da história e cultura Afro-brasileira, buscando reforçar a identidade negra e aumentar a auto-estima dos jovens negros.

Euwá-Dandaras em Yorubá significa “Mulheres Guerreiras”, sendo no início um grupo de dança somente composto com meninas negras. Com o tempo, passa a contar também com meninos, buscando a constituição de um corpo de bailarinos qualificados e comprometidos com a luta do movimento social negro. Tricampeão gaúcho de dança-afro nos anos de 1994-1995 e 1996, no concurso realizado em paralelo ao “Mais Bela Negra do RS”, em Santa Cruz do Sul, este grupo ganha reconhecimento no Estado e busca alçar maiores voos. Já em 2003, participando do Festival “Santa Maria em Dança”, de âmbito nacional, o grupo ganhou primeiro lugar em sua categoria e terceiro lugar geral; em 2007, volta a este festival e vence as categorias étnicas e de projeção folclórica; e em 2008, vence o festival, tonando-se grande campeão, primeiro lugar entre todas as categorias com a Coreografia Bambara. De 2009, para cá, tem se investido na qualificação dos bailarinos e apresentando-se em eventos em várias partes do estado e outros estados do país, sendo referência em dança-afro em âmbito nacional. A Cia de Dança-Afro Euwá-Dandaras em seu trabalho utiliza de referência do Balet Afro, Afro Tribal e da Dança dos Orixás, buscando nos ritmos de origem africana sua inspiração e reverenciando a cultura Africana para o Brasil. Característica do grupo é o trabalho percussivo realizado ao vivo, coordenado pelo Mestre Zinho.

 

Luís Silva

O 1º Festival Municipal de Artes Negras contará com a presença e o talento de Luís Silva. Ele é Clarinetista da Orquestra Sinfônica de Santa Maria e da Banda de Música da Base Aérea.

 

Marta Messias Camargo da Silveira

Uma das nossas Homenageadas será Marta Messias Camargo da Silveira.
Ela é Professora Doutora do Curso de Educação Física na Universidade Federal do Pampa, campus Uruguaiana.
Coordenadora Geral e Coreógrafa da Cia de Dança Afro Euwá Dandaras.
Porta Bandeira da Escola de Samba Barão do Itararé.
Marta Messias, a Jamaica.

Vilnes Gonçalves Flores Júnior - Nei D’ Ogum

O Projeto 1° FESMAN tem como Coordenador Geral, Vilnes Gonçalves Flores Júnior, Nei D’Ogum, Coordenador do Núcleo de Ação Cultural Educativa do Museu Treze de Maio – NACE e idealizador do FESMAN, cidadão de Santa Maria, militante negro, da periferia da cidade. Nossa Pretinhosidade!

 

Veja nossa programação completa! Participe!

 
 

Deixar um Comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Current day month ye@r *