Home / Publicações

Publicações

Artigo apresentado no IV Encontro Internacional de Ecomuseus e Museus Comunitários (EIEMC) em Belém – Pará.
Patrimônio Comunitário e novos museus: a face afro-brasileira da museologia comunitária

Artigo “Negras e Negros em evidência: os dispositivos comunicacionais do Museu Comunitário Treze de Maio de Santa Maria” de autoria de Giane Vargas Escobar e da Profª Drª Ana Luiza Coiro Moraes, publicado em dezembro/2012 no Congresso Internacional em artes, novas tecnologias e comunicação. Pág. 276-285
www.ciantec.net/books/CIANTEC2012.pdf

Artigos publicados no I Congresso Nacional Memória e Etnicidade da UFSM

“Ferroviários em cena”-Etnicidade, trabalho e memórias operários em Santa Maria-RS

A essência revolucionária em Abayomi: Uma boneca negra de pano em movimento

A reconstituição da memória através da restauração de antigas Fichas de Associados de dois Clubes Sociais Negros do RS: a Sociedade Cultural Ferroviária Treze de Maio de Santa Maria e Clube Cultural Fica Ahi pra Ir dizendo de Pelotas

Jornal “O Estado” de 1903: Como se tornava pública a representação da ferrovia e de seus trabalhadores?

Minuto Museu e o Treze de Maio: Um meio e um exemplo de que a visibilidade é possível

Museu Treze de Maio e as Políticas Públicas a favor da Preservação da Memória e Salvaguarda dos Clubes Sociais Negros do Brasil

Museu Treze de Maio: uma proposta de enfrentamento ao racismo por meio da literatura infantil

Negro como personagem na literatura infantil, na obra de Maria Rita Py

Roda de Lembranças no Museu Treze de Maio: sensibilizando antigos sócios do Clube Treze de Maio para a preservação da memória coletiva

Coleção Histórias da Vó Preta

Autora: Maria Rita Py Dutra
Contato: mrpy54@hotmail.com 
Apoio: Museu Treze de Maio

Júnior, menino de 4 anos é chamado de “negro” por um coleguinha de aula. A partir daí, ele não quer mais voltar à escola, fica magoado e quer beber leite para não ficar muito preto. Vovó Ada interfere e fala ao netinho do orgulho que se deve ter por ser afro-brasileiro, herdeiro de Zumbi, de João Cândido e dela mesma.

Junior

Este livro aborda a comemoração do aniversário de uma linda menina negra chamada Aziza. Uma amiga de Aziza vai à festa e leva seu irmão Bruno, que chega lá e vê a mesa repleta de coisas escuras: brigadeiro, bolo de chocolate e refrigerante. Bruno pergunta se só tem aquelas coisas pretas e se nega a comer, com receio de ficar com a pele mais escura e ser chamado por seus colegas de ‘Tição’.

Aziza

Dia dos Negros é o terceiro volume da Coleção Histórias da Vó Preta. A turma da 6ª Série, da professora Maria Gessy está em polvorosa. É 13 de maio e William escreveu no quadro: Dia dos Negros! Viva Bwana! A professora não sabe bem como resolver a situação. William argumenta que Bwana é um ótimo colega; que sua família foi dona de charqueadas na época da escravidão e que era muito boa para os negros. Disse também que foi seu pai que havia lembrado que hoje é dia dos negros e que Bwana é um negro de alma branca. Bwana agradece a homenagem recebida do colega, mas aponta quatro erros na fala de William. Toda a história gira em torno dos erros apontados por Bwana.

Dia-dos-Negros1

Esta história aborda a vida escolar da menina Layla, aluna da Classe de Alfabetização. Ela é uma garotinha negra muito linda e que adora a escola. A professora da turma propõe aos alunos viagens pelo mundo maravilhoso das letras. Ela percorre com seus alunos diversas estações: da poesia, das histórias infantis, das músicas, do folclore e dos filmes. Tudo ia muito bem, até o momento em que chegou na turma uma colega nova que repudia Layla. Um dia a sala é invadida por seu Jaques, pai de Layla. Ele diz à professora que não permite que sua filha sente ao lado de uma macaca.

A-Turma-de-Layla1

 O livro conta a história de uma garota negra, muito linda, com 12 anos que sonhava ser rainha da escola. Após o concurso, uma jurada disse que ela não poderia ser rainha, por ser negra. O livro tangencia a discussão sobre beleza negra e envolve toda a família de Jamile.

O-Sonho-de-Jamile1

Zeca é um garoto pobre que mora na Vila Esperança e sonha tornar-se um herói. Quando dorme sonha que viaja em naves espaciais, dá rasantes sobre fábricas e áreas verdes da cidade. Certo dia, numa de suas viagens imaginárias, testemunhou o início de um incêndio no Bosque Municipal.
Valentemente, ele avisou os bombeiros e foi à prefeitura conversar com o prefeito, sugerindo uma campanha publicitária que alertasse sobre o perigo de incêndios. Quando sai da prefeitura, Zeca é aplaudido e recebido como herói, o Zumbi da Vila Esperança.

zeca